9 de Julho de 2003

Hoje estava a ouvir a TSF quando, de repente, aos meus ouvidos chegam as palavras de uma anúncio da Galp – Energia Positiva! Trata-se de um novo produto, um cartão em que os pais creditam uma certa quantidade de dinheiro para os filhos poderem gastar em gasolina. Assim, alegam, há mais controlo; e tudo isto ao som de um adolescente que regozija à medida que a quantia no seu cartão é aumentada pelo seu querido Pai. Antigamente pedia-se a bênção, agora é a gasosa.
Isto leva-me a questionar a tão falada crise. Ou não há crise, ou os promotores de Marketing da Galp são idiotas. Ou então são os tugas, os idiotas. É que o simpático adolescente do anúncio não se dá já por contente em ter ao seu dispor uma viatura (muito provavelmente por obra e graça do trabalho das entidade parentais), bem como alguém que pague os seguros, as revisões, as inspecções (isto se tiver o azar de ter recebido um carro com mais de 4 anos), as lavagens, os pneus e as portagens, mas ainda se dá ao luxo de receber dos pais o dinheiro da gasolina. Ou os jovens de hoje não têm dignidade, ou os pais estão tolos.
A liberdade conquistada no 25 de Abril não é sinónimo de libertinagem, nem de irresponsabilidade e não é afogando os petizes com bens materiais que se podem colmantar falhas que os pais outrora tiveram. Que se queira o melhor para os seus filhos, é perfeitamente legítimo e mais, deveria ser uma preocupação de todos os pais. Mas este objectivo não pode fazer com que numa nação já pouco responsável, sejam criados ainda mais irresponsáveis – irresponsáveis que nunca sofreram na vida por nada.

9 de Julho de 2003