17 de Outubro de 2003

Quando a Europa se alargar, ou quando tiver algum tempo, depois do alargamento acontecer, vou comprar um chasso por 80 contos e vou daqui até ao báltico – s. petersburgo. Vai ser bom. Vai ser uma viagem e pêras. Não sei se vá sozinho. Eu gosto de viagens solitárias, mas uma desta magnitude… não sei. Tenho de pensar. Além disso, escolher um parceiro de viagem não é fácil; aliás, é impossível – a viagem é que acaba por escolher o parceiro na pessoa que escolhermos levar connosco.
Uma coisa que nunca percebi é porque é que as pessoas se suicidam, exceptuando aqueles que são doentes mentais, ou casos de eutanásia – que não deixam de ser discutíveis. Será que há algum sofrimento tão grande que nos queira fazer sair daqui? A minha opinião é duvidosa, porque, para mim, nada há melhor que a vida. Sempre disse para mim mesmo: se algum dia estiver numa de me suicidar e o físico me permita, vou para o tibete, ser monge, ou homem santo, na índia. A pé.
Espero que não fira susceptibilidades.

17 de Outubro de 2003