December 13, 2003

Sorry, this entry is only available in Português.

December 13, 2003

5 thoughts on “(Português) para quê?

  1. Katz says:

    Eu gosto de coisas bonitas. De aldeias e cidades, com a beleza própria do que são, sem artificialismos.

  2. Que queres dizer com isso? Que és contra as torres? A que artificialismo te referes?

  3. Tiago Teles says:

    As torres do Siza realmente eram mas. O Rio Tejo tem que ser devolvido aos lisboetas. Não é com a construção de torres gigantescas em Alcântara que se faz isso. Para aquela zona seria necessario algo como uns jardins e zonas de recreio. Não sou contra torres enormes em Lisboa. Aliás compartilho a tua paixao pela manhattan de cacilha e o projecto da torre bionica. Em Alcântara e que não. Pelo menos para já. Se Lisboa evoluir para uma metrópole ao nível mundial (do ponto de vista arquitectónico) em Alcântara torna-se igual a tantas outras zonas da cidade

  4. João Silva says:

    Teles: Andas a ler o Miguel Sousa Tavares! Antes isso que os resumos do Big Brother…
    Mas onde é que as torres iam roubar o rio!? Eram 3 torres que iam fazer desaparecer o rio? Para quê ter o rio ao lado de um monte de lata velha? Ou do meio de meia duzia de construções que que estejam dentro do plano director municipal mas horrorosos?
    Bem sei que és alto… mas qualquer edificio tem mais que 1 metro e 90!

  5. Mc says:

    Se os portugueses tivessem consciência dos projectos que estão a ser construídos um pouco por toda a europa, e os novos que acabam de ser aprovados iriam ficar de boca aberta. Obviamente qualquer desses projectos iria ser chumbado cá. Uma vez perguntaram ao arquitecto Troufa Real um bom exemplo de cidade, e ele respondeu: “Barcelona!” e acrescentou: ” com as leis portuguesas Barcelona não seria possível”. …A barcelona das diagonais, a barcelona das ruas velhas, a barcelona das 2 torres ao lado do mar com 150m, a barcelona dos contrastes, a barcelona da torre Agbar com 140m cuja forma certamente seria ridicularizada cá pelo Miguel Sousa Tavares…

Comments are closed.