October 25, 2012

Sorry, this entry is only available in Português.

October 25, 2012

  • Joel

    Boa exposição Chico 🙂 Realmente esse senhor é mto bom… por isso temos o país como temos…cheio de chico espertos desse género…

  • deKruella

    Não sei o que se passa com esta gente. Banaliza-se tudo por dá cá aquela palha…

    No outro dia, vi no jornal, que ia ser lançado um livro…com métodos de estudo…pelo que percebi a senhora que escreveu aconselhava a usarem canetas de cor diferente, sublinhar as partes importantes e outras coisas parecidas (sempre fiz isso sem ter que ler livro de instruções).

    Ora, na minha opinhião, aluno que é aluno a sério desenvolve isso naturalmente. Cada pessoa tem o seu método de estudo…depende do que o seu cerebro tem capacidade de apreender. uma pessoa que tenha capacidade de decorar fá-lo outra que só apreende quando comprende estuda de outra maneira.

    Em relação ao livro mencionado e pelo pouco que li no seu post muito me espanta que o teor usado seja oriundo de um professor…mas eles “andem” por aí.

    Não acho que essa técnica funcione. Tem que haver um equilibrio…até porque quando se faz um exame num dia, há outro, dois dias depois…digo eu…que já deixei os estudos há algum tempo!

    Qualquer dia o tal professor Nuno apercebe-se que pode ser demitido…por ausência de alunos à sua aula e depois escreve outro livro sobre a vida de um operador de guindaste…em que para ter sucesso bastará usar a técnica do 20/80 😉

    • Ora aí está uma grande verdade: a existência do professor depende da existência de alunos e um professor que escreve um livro que ensina a estudar só para concluir cadeiras, não é um professor que se interesse por ensinar e proporcionar enriquecimento de conhecimentos, mas sim avaliar alunos. Neste sentido, os professores só existem para passarem e corrigirem exames. É a mesma coisa que um médico dizer: se estiverem doentes, vão à farmácia comprar medicamento. lol

  • Também sou da LEFT no IST e acho que esse gajo é… enfim…

  • ∫nês

    Muito bom!

  • Gostei bastante da sua argumentação. Encontrei o seu parecer no meio de alguns comentários negativos quando analisava a página do livro no facebook e descreveu bem a sua opinião.

    O título do livro por si só é provocador e chamativo e a capa bastante sugestiva de filmes do género American Pie: diversão ao máximo e pouco estudo.
    Basicamente os conteúdos da página do livro dizem o que os turistas escolares, os borguistas e os que são obrigados a frequentar um curso para fazer as vontades dos pais gostam de ouvir. É importante não sermos extremistas com soluções universais para todo o caso e o livro parece-me ser bastante anti-pedagógico.

    Conhecer as pessoas certas e debater sobre questões interessantes que possam fomentar uma possível parceria ou negócio não é algo que se consiga facilmente em festas, porque as pessoas vão às festas para se divertirem e não para comunicarem sobre coisas interessantes.

    Infelizmente é possível concluir um curso sem saber fazer rigorosamente nada. De quem é a culpa? Dos professores que passam alunos que não sabem a teoria ou não conseguem aplicar conhecimentos leccionados no curso na prática. Ao estarmos a produzir licenciados incapazes de que serve?

  • xovan

    parabéns pela análise. quando tirei o meu curso (de engenharia), já havia destes. sempre os houve. podem até tirar boas notas, mas não têm a menor ideia do que estão a fazer. este livro aparenta ser um tiro, de canhão, no pé, e de tal forma violento que nem sobrou a cabeça. não deve ser à toa que um dos autores é ‘professor’ naquela famosa instituição.

  • Obrigado a todos os que concordam. Façam favor de espalhar!

  • Joana

    Estimado Francisco.

    Sou a Joana, estou interessada no seu blog para uma campanha de publicidade, sera que poderia entrar em contato comigo atraves do meu email, a fim de que eu possa fornecer mais detalhes.
    Melhores cumprimentos
    Atentamente,
    Joana

  • Rita V.

    magnífico post!
    abraço