14 de Março de 2006

Há quem reclame as benesses da flatulência e, em alguns dias, incluio-me nessas pessoas. Mas ontem à noite fui vítima, juntamente com outras pessoas que partilhavam a mesma composição do metropolitano, de um atentado terrorista e potencialmente suicida. O perpetrador não morreu, acabei por não ver sequer quem era, portanto não o posso identificar, sequer. Mas o pérfido acto que cometeu permanecerá na minha memória durante largos anos, senão para sempre. A reação começou com um alheio “esta estação cheira a esgoto”. Mais tarde vimos que não era nem a estação que fedia, nem era a esgoto que o aroma cheirava. Posto isto, as reacções foram muitas e variadas, mas principalmente o riso (haveria gás hilariante à mistura?) e a fuga.
Pfiuuu.

14 de Março de 2006