7 de Maio de 2007

O que Carmona está a fazer é uma idiotice. Que espera ele alcançar?
Há uma coisa que nos últimos tempos tem acontecido em demasia, no que toca a este tipo de casos. Parece que todos se esquecem do que é ocupar um cargo administrativo público. Ora bem, para a Câmara de Lisboa, como orgão representativo dos desejos e vontades de administração da maioria dos Lisboetas, o importante não é se Carmona (ou outro qualquer presidente, passado ou futuro) é ou não culpado. Pelo menos neste momento. Agora o que importa é saber se a Câmara pode ou não ser administrada, com um presidente como arguido num caso como o da Bragaparques.
A questão aqui não é se é justo ou injusto. Compreendo que custe ao Presidente da Câmara, caso seja mesmo inocente. Mas tem de perceber que a o cargo que ocupa não pode estar sujeito a este tipo de dúvidas, ou suspeitas. Muito menos com os contornos que toda esta trabalhada tem, como sendo uma bandalheira total, com três altos membros da gestão camarária do urbanismo a terem renunciado aos cargos. Obviamente há que distinguir que há casos e casos, mas este é, flagrantemente, um dos que o Presidente deveria imediatamente pôr o seu lugar à disposição.
Hoje em dia, seja na política, ou no futebol, poucos parecem saber o que é servir a res publica e muito menos como o fazer.

7 de Maio de 2007

  • Não é só o Carmona… Mesmo ao lado há outro em condições bem piores… Como é óbvio, e por razão também óbvias não digo o nome.
    Ah! E em Gondomar, e em Felgueiras, e em Leiria… E a outra do BE…
    Enfim…