21 de Maio de 2015

Se há escriba copioso, na nossa praça, ele é João Lemos Esteves. E se não o conhece, aqui ficam as suas próprias palavras, quando em 2010 começava a Politicoesfera no Expresso:

João Lemos Esteves. Finalista da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Blogger desde 2008, com especial incidência no youtube, desde Fevereiro de 2010. Militante da Juventude Social-Democrata. Embora considere que a independência de pensamento e a liberdade de análise são indispensáveis a uma intervenção cívica plena.

Hoje em dia o professor assistente convidado da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa é articulista do Sol. É também um autor polarizador: suscita mimos de parte a parte, tanto sendo considerado um «génio do comentário político» por uns, como «uma besta» por outros.

“Passos Coelho: Esperança Portugal!”
“A saga de Rui Rio: um guia para um final infeliz!”
“Marcelo Rebelo de Sousa: o próximo Presidente da República portuguesa!”
“Diário Universidade PSD: Vítor Gaspar discorda (subtilmente) de Passos Coelho!”
“Cavaco Silva reconhece que Marcelo Rebelo de Sousa será um Presidente melhor!”

Alguns títulos de artigos de João Lemos Esteves

Não vou aqui entrar em discussões acerca da sagacidade do autor, da pertinência dos argumentos, ou da qualidade da retórica, mas como cientista e engenheiro de formação, tenho o hábito de olhar para números. Em cerca de 4 anos e meio, Lemos Esteves produziu 481 artigos, o que, tendo em conta só os meses em que escreveu, significa pouco menos de 10.5 artigos por mês. Como blogger, talvez não seja assim tanto. E como opinion-maker também não. O Miguel Esteves Cardoso, pese embora o facto de essa ser a sua profissão, já vai em 18 crónicas em Maio e ainda faltam dez dias para acabarmos o mês.

Sendo prolixo, aquilo que me deu vontade de analisar a obra Lemos Estevesiana foi a tipologia dos títulos. Aqui ficam os resultados da compilação:

Tipos de artigos - percentagem
A produção de João Lemos Esteves: número de artigos mensais e distribuição de títulos declarativos, interrogativos e exclamativos. [até 18 de Maio de 2015]

Quando começou a escrever regularmente na imprensa, Lemos Esteves apresentava-se perante os leitores sobretudo declarativo, não deixando de se mostrar por vezes interrogativo e outras exclamativo, numa mistura bem equilibrada. Mas à medida que amadurece como cronista, Lemos Esteves deixa de lado a declaração e a interrogação não cresce; Lemos Esteves tornou-se um exclamativo! Nestes anos o autor interrogou-se 122 vezes, afirmou 152 e exclamou 207. Desde que começou a colaborar com o Sol, não há mês que Lemos Esteves não exclame em menos que metade das crónicas.

Ora, João Lemos Esteves é, por ventura, o homem mais exclamativo de Portugal. Será que conviver com ele será semelhante a conviver com Ken Dove, o homem eleito por duas vezes como a pessoa mais interessante de Dorking?

21 de Maio de 2015